O

Sou um carro gozado
Um carro meio lunático,
Todo amassado,

Um carro estático.

Não vejo graça
E não choro.
Por ser um carro
Não morro,

Mas já não ando nem corro.

Devo sentir-me feliz:
Não virei pó por um triz.

 

Quem olhar ali ao fundo
Vê um passageiro ou um vulto.

Dele não sei mais nada.

Só que morreu na estrada.